03/03/2024 15:14

Casa do Abraço de Jacareí oferece serviços de prevenção ao combate à AIDS

Foto: PMJ

O dia 1º de dezembro é designado o Dia Mundial de Combate à Aids, que contribui para alertar toda a sociedade a respeito da conscientização sobre os riscos da doença. A data foi estabelecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e ocorre no Brasil desde 1988, com o objetivo de diminuir as infecções entre a população.

Em Jacareí, as estimativas atuais são de que cerca de 1.100 pessoas vivam com HIV e destas, aproximadamente 800 estão em tratamento, na Casa do Abraço. Em 2022, a estimativa era de aproximadamente 39 milhões de pessoas vivendo com HIV no mundo. No Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde, cerca de 920 mil pessoas vivem com a doença.

A fita vermelha é símbolo universal de conscientização, apoio e solidariedade às pessoas que vivem com HIV e uma forte simbologia para que este grupo de pessoas se faça ouvido quanto a questões importantes sobre sua vida.

Campanha Fique Sabendo 2023

Desde 2008, o país realiza a Campanha Fique Sabendo. O objetivo é atrair a população para realização da testagem rápida de detecção de casos de HIV e Sífilis, bem como conscientizá-la para prevenção e cuidados com as demais Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST).

Em Jacareí

A Casa do Abraço é o serviço da Secretaria de Saúde, responsável pelas ações de promoção e prevenção, bem como pela assistência prestada às pessoas vivendo com HIV/Aids e demais IST. Porém, este não é o único serviço. Toda a rede de saúde do município oferta gratuitamente os testes rápidos de HIV, Sífilis e hepatites B e C, além de ofertar os preservativos internos (femininos) e externos (masculinos). Os testes e orientações são realizados por profissionais que resguardam o sigilo dos pacientes. A Casa do Abraço está localizada na Rua Purús, 79, Jardim Paraíba.

O que é a Aids?

A Aids é causada a partir da contaminação do vírus da imunodeficiência humana – HIV. Assim, a doença pode ser caracterizada como a consequência dos efeitos do vírus no organismo, debilitando as funções do sistema imunológico.

Por isso, nem todas as pessoas que carregam o vírus causador possuem, de fato, a doença. A Aids é, portanto, um estágio avançado de contaminação do vírus HIV. Com o corpo enfraquecido, ela serve como porta de entrada para outras enfermidades oportunistas que podem levar o paciente à morte, como a pneumonia, por exemplo.

Transmissão

O vírus HIV pode ser transmitido pelo sangue, sêmen, secreção vaginal, leite materno;
Relações sexuais homo ou heterossexuais, vaginal, oral ou anal, sem proteção de preservativo, transmitem o HIV e outras IST e alguns tipos de hepatite;
Compartilhamento de seringas entre usuários de drogas injetáveis;
Transfusão de sangue contaminado;
Instrumentos que cortam ou furam, não esterilizados;
Da mãe infectada, sem o devido tratamento, para o bebê, durante a gravidez, parto e amamentação.
Humanização

O HIV/Aids não é transmitido pelo beijo, abraço, toque, ao compartilhar talheres, utilizar o mesmo banheiro, pela tosse ou espirro, praticando esportes, na piscina, praia e, antes de tudo, não se pega Aids dando a mão ao próximo, seja ele soropositivo ou não.

Apesar dos avanços, o preconceito e a discriminação contra as pessoas vivendo com HIV/Aids ainda são as maiores barreiras no combate à epidemia, ao adequado apoio, à assistência e ao tratamento da Aids e ao seu diagnóstico.

Tratamento

Atualmente a terapia com os chamados antirretrovirais (que são medicamentos que suprimem a replicação do vírus HIV) proporciona melhoria da qualidade de vida, redução da ocorrência de infecções oportunistas, redução da mortalidade e aumento da sobrevida dos pacientes.

O Brasil é referência mundial no enfrentamento ao HIV/Aids. Há 27 anos, o SUS garante acesso universal a todos os medicamentos necessários para o combate ao vírus HIV, além de exames e acompanhamento médico, que beneficiam muitos brasileiros. Além disso, o SUS oferece tratamento antirretroviral a 97% dos brasileiros diagnosticados com Aids.

A prevenção contra o HIV/Aids

Existem algumas estratégias assertivas e seguras para evitar a transmissão da doença, chamadas de Prevenção Combinada. A utilização de preservativos em todas as relações sexuais (que previne a contaminação pelo HIV e combate outras IST e as hepatites B e C); uso da PREP – profilaxia pré-exposição, redução de danos, uso adequado dos antirretrovirais; e PEP – profilaxia pós-exposição, são algumas destas estratégias.

Quanto ao diagnóstico, este é obtido por meio de Testes Rápidos e exames específicos, ofertados gratuitamente pelo SUS. Saber sobre sua sorologia é uma maneira muito importante para que se evite a transmissão do vírus do HIV, já que favorece o início imediato do tratamento, interrompendo a cadeia de transmissão do vírus. No caso das mulheres grávidas, é essencial fazer o acompanhamento médico para que não haja a transmissão para o bebê.

Gostou do conteúdo, compartilhe agora mesmo!

Leia também

Veja também