17/07/2024 06:48

“Ônibus elétrico”: 50% da frota urbana pode ser elétrica em São José

Transporte Público ônibus elétrico

Metade da frota do transporte coletivo urbano pode ser de ônibus elétrico em São José. A poluição do ar, o agravamento do efeito estufa e suas consequências ambientais têm levado a sociedade a repensar o transporte movido a queima de combustíveis.

Na Câmara de São José dos Campos, o projeto de lei 540/21, apresentado pelo vereador Walter Hayashi (PSC), autoriza a prefeitura a exigir das empresas concessionárias do serviço de transporte urbano que 50% da frota seja movida a eletricidade.

“Nossa cidade conta com uma frota de ônibus circulares de 320 veículos, os quais transportam cerca de 14 mil passageiros por dia. Se metade forem ônibus elétrico teremos uma redução de 50% na emissão de poluentes atmosféricos, em comparação com o motor a combustão” justifica o autor.

O parlamentar alega ainda que o custo de manutenção é menor, gerando economia, e que o motor elétrico é mais silencioso, proporcionando maior conforto acústico.

Ele lembra que a implantação da Linha Verde, em que todos os ônibus serão elétricos, será um avanço nesse sentido, assim como a substituição da frota da Guarda Civil Municipal por carros elétricos em 2018.

A proposta está em prazo de emendas e passará pela análise das comissões de Justiça, Economia e Transportes.

Energia limpa

De mesma autoria, o PL 515/21 permite a instalação de usinas de energia elétrica limpa, isto é, fotovoltaica (solar) e eólica. De acordo com a proposta, a instalação poderá ser feita pela prefeitura, em parceria com empresas privadas, ou por empresas privadas com autorização da prefeitura. O objetivo é diversificar a matriz energética, pois atualmente a maior parte da energia é gerada por hidrelétricas, optando por alternativas com menor impacto e fontes renováveis.

O projeto está em análise pelas comissões de Justiça, Economia e Meio Ambiente.

Muito se fala dos carros elétricos como futuro do meio automotivo. Diversos modelos já lançados, com muita adesão na Europa e na América do Norte. Mas e o transporte público? A solução não será nada de outro mundo. A resposta é o ônibus elétrico. Assim como nos veículos leves, a mobilidade urbana em massa seguirá o mesmo caminho.

Para se ter uma ideia, em 2019, 99% dos ônibus elétricos com bateria do mundo foram implantados na China, com mais de 421.000 ônibus em circulação, o que representa 17% da frota total de ônibus da China. Para comparação, os EUA tinham 300 e a Europa 2.250.

O ônibus elétrico já está começando a ganhar protagonismo na Europa, enquanto já domina as vias do país mais populoso do mundo, a China. Porém, poucos sabem, mas existem tipos diferentes de ônibus elétricos. Você saberia como distinguir um do outro?

ônibus elétrico

Ônibus elétrico: Não existe apenas um tipo

Capabus

O Capabus opera sem linhas aéreas contínuas (é um veículo autônomo) usando a energia armazenada em grandes capacitores elétricos de camada dupla (EDLCs) a bordo, que são recarregados rapidamente sempre que o veículo para em qualquer ponto de ônibus (sob os chamados guarda-chuvas elétricos) e totalmente carregado no terminal.

Esses ônibus elétricos têm rotas muito previsíveis e precisam parar regularmente a cada 4,8 km ou menos, permitindo recarga rápida nas estações de carregamento nas paradas de ônibus. Um coletor no topo do ônibus se ergue alguns metros e toca uma linha de carregamento no ponto; em alguns minutos, os bancos ultracapacitores armazenados sob os assentos do ônibus estão totalmente carregados.

Os ônibus também podem capturar energia da frenagem, e as estações de recarga podem ser equipadas com painéis solares. Uma terceira geração do produto, que fornecerá 32 km de alcance por carga ou melhor, está planejada.

A Sinautec, da China, estima que um de seus ônibus tenha um décimo do custo de energia de um ônibus a diesel e pode obter uma economia de combustível vitalícia de US$ 200.000. Os ônibus consomem 40% menos eletricidade, mesmo quando comparados a um bonde elétrico, principalmente por serem mais leves.

Os ultracapacitores são feitos de carvão ativado e têm uma densidade de energia de seis watts-hora por quilograma (para comparação, uma bateria de íon de lítio de alto desempenho pode atingir 200 watts-hora por quilograma, mas o ônibus com ultracapacitor é cerca de 40% mais barato que um ônibus de bateria de íon de lítio e muito mais confiável)

ônibus elétrico

Ônibus de bateria elétrica

O ônibus elétrico de bateria é acionado por um motor elétrico e que obtém energia das baterias presentes dentro do veículo.

Os ônibus elétricos a bateria oferecem emissão zero, operação silenciosa e melhor aceleração em comparação aos ônibus tradicionais. Eles também eliminam a infraestrutura necessária para uma conexão constante à rede e permitem que as rotas sejam modificadas sem alterações na infraestrutura em comparação com um trólebus.

Eles normalmente recuperam a energia de frenagem para aumentar a eficiência de um freio regenerativo. Com um consumo de energia de cerca de 1,2 kW⋅h / km (4,3 MJ / km; 1,9 kW⋅h / mi), o custo de propriedade é menor do que os ônibus a diesel.

Os ônibus com bateria têm menos alcance, maior peso e maiores custos de aquisição. A infraestrutura reduzida para linhas aéreas é parcialmente compensada pelos custos da infraestrutura para recarregar as baterias. Os ônibus com bateria são usados quase exclusivamente em áreas urbanas, e não no transporte de longo curso.

O trânsito urbano apresenta intervalos relativamente curtos entre as oportunidades de carregamento da bateria. Uma recarga suficiente pode ocorrer dentro de 4 a 5 minutos (250 a 450 kW [340 a 600 hp]) geralmente por indução ou catenária.

Vídeo teste do ônibus elétrico em São José

A BYD lança em parceria com a Marcopolo o primeiro ônibus articulado 100% elétrico do Brasil. Trata-se do modelo D11B e tem as primeiras 12 unidades rodando em São José dos Campos agora em outubro.

Confira este vídeo da Quatro Rodas:

Veja também