20/05/2024 05:52

Escolas Cívico-Militares devem chegar a mais de 200 até 2023

Escola Cívico-Militar
Em 2020 foram implantadas 53 Escolas Cívico Militares, em 2021, em fase de implantação há mais 74 unidades.

Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim) deverá ser ampliado e ser implantado em 216 escolas de todo o país até 2023. É a expectativa do Ministério da Educação (MEC). O programa, que é uma parceria entre os ministérios da Educação e da Defesa, está em fase de implantação em 74 instituições de ensino. No ano passado, ele foi introduzido em 53 escolas.

A adesão ao Pecim é voluntária, mas as escolas precisam manifestar interesse junto à Secretaria de Educação. Nos colégios, os militares atuam no apoio à gestão escolar e educacional, enquanto professores e demais profissionais da educação são responsáveis pelo trabalho didático-pedagógico.

Jacareí organiza abaixo assinado

Para transformar o desejo popular em realidade é importantíssimo organizar abaixo assinados, com este documento a população pode exigir do Prefeito e do Secretário de Educação de sua cidade, a inscrição da escola no Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim).

Em Jacareí um grupo de pessoas iniciou uma campanha para recolher assinaturas em uma abaixo assinado digital que será encaminhado às autoridades locais, uma das apoiadoras e entusiasta do projeto é Elines Lucena, que defende o modelo de ensino: “Jacareí merece ter uma Escola Cívico-Militar, muitos pais querem ter esta opção para matricular seus filhos, por isso estamos divulgando este abaixo assinado”, disse.

Para assinar a Petição para implantação de uma Escola Cívico-Militar em Jacareí, clique aqui.

Para a deputada estadual Leticia Aguiar este é o início da transformação: “Eu sou uma grande defensora dos Colégios Militares acredito que esse modelo de ensino tem muito a contribuir com a educação. Por isso, apresentei o projeto de lei 295/19 na Alesp, para criação de colégios cívico-militares no estado de São Paulo, o projeto foi aprovado na Comissão de Constituição, Justiça e Redação. Esse será o primeiro passo para a transformação, uma educação de qualidade livre da doutrinação política partidária e ideológica valorizando os princípios da família, da pátria e respeito aos professores”, disse a parlamentar.

Taubaté tem a primeira das Escolas Cívico-Militares do Vale do Paraíba

A Prefeitura de Taubaté entregou em agosto a placa que oficialmente converte a EMEF Professor Lafayette Rodrigues Pereira em uma unidade modelo do Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim).

A unidade de ensino, situada no bairro São Gonçalo, passa a adotar um conceito de gestão nas áreas educacional, didático-pedagógica e administrativa, com a participação do corpo docente da escola e apoio dos militares. De acordo com o Ministério da Educação, o município de Taubaté está entre as 70 cidades brasileiras selecionadas para a implantação de uma unidade da escola cívico-militar.

A escola foi escolhida, entre as demais da rede municipal, por estar situada em uma região de grande vulnerabilidade social e que tem como meta a melhoria nos indicadores educacionais.

Os militares irão atuar em oficinas disponibilizadas no contraturno das aulas regulares com aulas voltadas aos alunos do fundamental II. Ainda serão definidas as oficinas a serem implantadas, de acordo com avaliação dos militares, visto que o retorno às aulas presenciais aconteceu no início do mês de agosto.

Adesão ao Pecim

Escolas Cívico-militares
Gilson Passos de Oliveira, diretor de Políticas para Escolas Cívico-Militares do MEC

Segundo o diretor de Políticas para Escolas Cívico-Militares, Gilson Passos de Oliveira (foto), são muitos os benefícios desse modelo, que tem como objetivo contribuir para a melhoria da Educação Básica.

“O Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares tem por objetivo implantar o modelo de gestão de excelência em unidades escolares públicas do ensino regular, em escolas que ofereçam as etapas finais do Ensino Fundamental e do Ensino Médio”.

O programa visa trabalhar com alunos em situação de vulnerabilidade social e escolas com baixo IDEB [Índice de Desenvolvimento da Educação Básica].

A adesão ao programa ocorre de forma voluntária, pelos estados, municípios e pelo Distrito Federal. E, além disso, o programa é um conjunto de ações direcionadas ao fomento e ao fortalecimento de uma escola a partir de um modelo de gestão de excelência nas áreas educacional, didática pedagógica e administrativa.

O programa é complementar a outras políticas de melhoria da qualidade da educação já existentes, seja no nível nacional, estadual ou municipal ou distrital.

E o Pecim vem sendo desenvolvido pelo Ministério da Educação em colaboração com os estados, municípios e o Distrito Federal.

O programa de Escolas Cívico-Militares estabelece um conjunto de ações direcionadas para a busca de um modelo de gestão de excelência nas áreas educacional, didática pedagógica e administrativa.

Essa gestão de excelência na área educacional será alcançada por um conjunto de atividades que tem por objetivo a difusão de valores humanos e cívicos.

Bolsonaro nas Escolas Cívico-Militares
Presidente cumprimenta alunos de PECIM

E, além disso, o desenvolvimento de atitudes do aluno e a sua formação integral como cidadão.

Na área didática pedagógica, essa excelência será alcançada por um conjunto de atividades de apoio ao processo de aprendizagem, respeitadas aí a autonomia das secretarias de educação envolvidas.

E na área administrativa, essa excelência será alcançada por um conjunto de atividades com vistas à otimização dos recursos materiais e financeiros da escola.

Cabe ressaltar que o programa de Escolas Cívico-Militares não estabelece a exigência de alteração curricular.

https://www.transitoaberto.com.br/chromebooks-para-professores-e-gestores-das-escolas-municipais-de-sao-jose/

Gostou do conteúdo, compartilhe agora mesmo!

Leia também

Veja também